VÍDEOS PERTINENTES

Loading...

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Texto muito pertinente do amigo Rodrigo

Os direitos e as privações cerebrais dos toscos mortais 


Senhoras, senhores
Os direitos humanos e seus defensores, aqueles que sensibilizam com as injustiças e violências direcionadas a quaisquer pessoas, independente de índole, de cor, de sexo ou de classe social, estão sendo acusados de defender os direitos de pessoas que não merecem ter qualquer tipo de direito, como se direitos fossem uma exclusividade de alguns em detrimento de outros, por fazerem por si só seus próprios julgamentos, condenações, sem ao menos se basear em qualquer tipo de fundamento ou fato concreto.
Os direitos humanos são auto-explicativos, e tratam em sua essência de proteger a integridade e a dignidade humana, de homens e mulheres que muitas vezes estão submetidos aos acasos e descasos de uma sociedade cada vez mais desigual e pro genitora de sua própria violência e banalização da morte. Em uma sociedade organizada de modo hierárquico e desigual, o poder econômico e seus proprietários aniquilam as possibilidades de transformação social, e mantém um ciclo vicioso de gerações violentas, sem os privilégios da educação e da sensibilidade, que se perde logo nas infâncias roubadas pelas famílias desestruturadas, somadas a falta de estrutura na organização social, onde a justiça se faz cega, e se diz neutra as injustiças contra os mais fracos, e faz vista grossa aos que podem pagar bem por isso.
O cenário em que se encontra a cadeia de Sarandi nos revela de modo escancarado como esta instituição publica reflete toda a falta de educação de uma geração, e toda a truculência de uma infância. Um ambiente nenhum um pouco familiar, pouco acolhedor já por si só, conta ainda com o pouco caso com relação aos direitos que deveriam ser garantidos por serem os presos, apenas humanos. O tratamento com a comunidade que se vê perante uma situação desconfortável como ter alguém de sua família lá dentro, muitas vezes não difere muito do tratamento dado aos próprios presos, que condenados ou não, recebem uma truculência exacerbada, que de humano com certeza, não tem nada. Desagrada-me presenciar o sofrimento daqueles que já nasceram sofrendo por não terem os direitos a desfrutarem de suas dignidades desde a tenra infância, que tiveram como escolhas as mais diversas, desde o caminho das drogas, da violência, até os trabalhos mais indignos e mais humilhantes que restam aqueles que não se beneficiam de uma boa educação e de espaço dentro da sociedade.
Me inquieta a sociedade abominar tanto os crimes e a violência, e ser indiferente e impiedosa com quem esta pagando pelos seus crimes.  Que fique claro, pagar pelos crimes, quando se trata de prisão, tem a ver somente com a privação da liberdade, não tem a ver com privação dos direitos humanos, como a higiene, a alimentação, a convivência com os familiares, o direito a aprender uma profissão, e se recuperar com intuito de um dia reingressar na sociedade, com mais possibilidades e sensibilidade, sem falar de dignidade para que assim possam seguir em frente tentando mais uma vez lhe dar com as injustiças arraigadas a este modelo social vigente.
No entanto o que temos na cadeia de Sarandi diverge completamente daquilo que supostamente deveria estar acontecendo. A super lotação, a falta de um espaço propicio para se manter o mínimo de higiene, as refeições mal cheirosas, a ociosidade, a propagação de doenças contagiosas como o caso atual da tuberculose, que causam aflição nos familiares, por diversas questões, entre ela a proibição de visitas, intensificando o sofrimento de quem se encontra encarcerado, sem chances de um contato, o que também me parece um direito que deveria se garantido, mas não é. Os dias de levar comida aos presos que eram dois, foram encurtados para um dia, a truculência com os familiares ainda valem por dois dias, o que não poderia ser justificado pelas péssimas condições de trabalho as quais estão submetidos os funcionários da delegacia, afinal de contas, nesse ciclo vicioso a ponta que se arrebenta é justamente a do lado dos que se encontram em situação desfavorável.
 Pagam os presos, pagam seus familiares, e paga a sociedade que não percebe que os problemas estão sendo resolvidos de trás para frente. Até quando vamos aceitar que seres humanos sejam sujeitados a tais humilhações, e situações desumanas? Só sensibilizaram quando forem seus entes a mercê desse descaso? A sociedade precisa de alteridade, bem como a justiça precisa de responsabilidade, por que neutralidade não existe, a justiça decide baseada na frieza e na indiferença que se criou com todos os que já nascem rotulados como marginalizados, ela decide com bases muitas vezes insustentáveis, mas decidem, por que cabe a ela a decisão, e a ninguém mais. A sociedade indigna cabe paciência com a burocratização das vidas e da liberdade, cabe aguardar passivamente, sujeito a desacatar ou incomodar o poder e acabar como réu de todo este sistema falido de direitos não levados a sério, que fazem homens e mulheres chorarem os maus tratos, a indiferença, a ignorância, a brutalidade a falta de alteridade.
É necessário se por no lugar do outro, dos possíveis inocentes que estejam pagando por crimes que não cometeram ou esperando seu julgamento. Põe-se no lugar da mãe que sofre pelo filho desencaminhado na sociedade, que além da liberdade, perdeu a dignidade de comer bem, de dormir bem, de manter-se limpo, que bebe água do chuveiro, que divide colher com várias pessoas, sujeito a contrair uma doença. Já parou para pensar como você daria outra importância se tudo isso lhe afetasse diretamente?

fonte: http://mensageironatural.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário